Técnico(a) Formador(a) do Ensino Secundário – Língua Portuguesa

Type:
Full-Time
Country:
Guiné-Bissau
Place:
Bafatá
Published in:
2021-07-14
Expires in:
2021-08-08

A FEC - Fundação Fé e Cooperação é uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD) com estatuto de Utilidade Pública. Atua na área da Cooperação para o Desenvolvimento, sobretudo na Guiné-Bissau, em Angola e em Moçambique, tendo como eixos estratégicos de transformação social: Educação, Conhecimento e Competências; Boa Governação e Advocacia e Cidadania Global e Direitos Humanos. Conta com financiamentos da Cooperação Portuguesa, Fundação Calouste Gulbenkian e de organismos internacionais, como a União Europeia, UNICEF, entre outros.

OBJETIVO GERAL DA FUNÇÃO

O/a Técnico/a Formador/a do Ensino Secundário de Língua Portuguesa (TFES LP) é responsável pela implementação regional da intervenção no âmbito da Língua Portuguesa no Ensino Secundário.

Enquanto coordenador do grupo de formadores FEC de Língua Portuguesa do Ensino Secundário, é responsável pela supervisão pedagógica, didática e pela qualidade técnica/metodológica da intervenção na região onde trabalha, assegurando a coerência e a qualidade das intervenções no Ensino Secundário, com o acompanhamento do Gestor de Programa do PRECASE (GProg).

Reportando organizacionalmente ao Supervisor Regional (SR) e funcionalmente (científico-pedagogicamente) ao GProj, o/a Técnico/a Formador/a do Ensino Secundário de Língua Portuguesa, irá coordenar equipas de formadores de professores de Língua Portuguesa, assim como, grupos de formandos/formadores em ações de formação desenvolvidas no âmbito do Programa.

Responsabilidades

A) Assessoria técnica à implementação da estratégia e à conceção de programas de formação e de intervenção

  • Implementa atempadamente as atividades no âmbito da intervenção no âmbito da Língua Portuguesa e garante a sua qualidade técnica e pedagógica;
  • Sob orientação do GProg, participa na conceção dos modelos pedagógicos e na elaboração dos programas e dos calendários mensais e anuais de formação dirigidos aos formadores FEC e ao público-alvo;
  • Em articulação com o Assessor de Estatística e Avaliação (AEA) e o GProg, apoia a conceção dos instrumentos necessários à realização das atividades, ao levantamento de necessidades, à recolha de dados e outra informação solicitada e à monitorização e avaliação dos indicadores;
  • Sob orientação do GProg, elabora documentos programáticos (materiais de apoio à formação, suportes teóricos) e operacionais relativos à intervenção, no âmbito da área de intervenção;
  • Identifica necessidades e oportunidades da disciplina de Língua Portuguesa, junto de parceiros e públicos-alvo e nas regiões de ação da FEC;
  • Identifica necessidades de formação específicas dos formadores e formandos sob a sua supervisão, dentro do contexto dos objetivos do Programa.

B) Gestão técnico-pedagógica

  • Sob a orientação do GProg, realiza um diagnóstico de necessidades regionais no âmbito da Língua Portuguesa;
  • Coordena a elaboração e implementação dos calendários de atividades do grupo de formadores FEC sob sua responsabilidade, respeitando a coerência global da intervenção na região;
  • Elabora e implementa o seu calendário de atividades, respeitando a coerência global da intervenção na região e no país;
  • Apoia no processo de contratação de formadores e técnicos, sob a orientação do GProg;
  • Organiza eventos formativos temáticos, a partir das orientações do programa de formação para a disciplina de Língua Portuguesa;
  • Participa na criação de condições de bom funcionamento da equipa na Guiné-Bissau e cria condições de bom funcionamento da equipa regional, de acordo com manual de procedimentos FEC e tendo em conta as linhas de orientação estabelecidas pelo SR e pelo GProg;
  • Apoia e segue as orientações do SR na elaboração mensal dos relatórios financeiros e orçamentos da equipa regional e na sua boa execução no cumprimento das regras estabelecidas ao nível financeiro e de gestão pela FEC;
  • Organiza e apresenta mensalmente pontos de situação e cronogramas das atividades pelas quais é responsável, de acordo com os modelos estabelecidos;
  • Apoia a elaboração mensal de pontos de situação e cronogramas de atividades da equipa regional, particularmente do grupo de formadores FEC que coordena, de acordo com os modelos estabelecidos;
  • Participa em reuniões institucionais e de natureza técnica, em articulação com o SR e com o GProg;
  • Garante e é responsável pela boa organização dos Dossiês Técnicos e Pedagógicos relativos às atividades por si desenvolvidas, para que seja possível a consulta rápida de todo e qualquer documento físico ou digital produzido no âmbito da intervenção;
  • Supervisiona e assegura a boa organização dos Dossiês Técnicos e Pedagógicos relativamente às atividades desenvolvidas pelo grupo de formadores FEC que coordena.

C) Qualidade pedagógica 

  • Planeia e executa o programa de formação definido para os formadores FEC e professores, de acordo com a estratégia e programa definidos;
  • Garante a qualidade do processo educativo/formativo, ao nível da disciplina de Língua Portuguesa no Ensino Secundário;
  • Apoia e orienta o processo de planeamento das sessões de formação da responsabilidade de cada um dos formadores, nomeadamente no que respeita a bibliografia para consulta e materiais informáticos ou pedagógicos;
  • Analisa criticamente os planos de sessão que supervisiona, dando sugestões de melhoria;
  • Observa criticamente aulas e sessões de formação de outros formadores/formandos, com aplicação e discussão de grelha de análise própria;
  • Elabora, em colaboração com o GProg e os restantes TFES, todos os instrumentos de trabalho necessários à execução das atividades e desempenho das suas funções;
  • Elabora suportes teóricos de apoio à formação do público-alvo e outro material pedagógico e científico considerado relevante, a partir de pesquisa orientada;
  • Elabora, com o apoio do GProg, listas de material pedagógico e/ou outro material no âmbito do Programa;
  • Participa nos processos reflexivos e troca de experiências/ideias sobre a intervenção, facilitando a disseminação das melhores práticas e lições aprendidas;
  • Participa na revisão de publicações ou documentos FEC a partir da experiência adquirida e dos instrumentos de base fornecidos.

D) Comunicação e imagem

  • Garante os contactos institucionais necessários à boa execução das atividades, fortalecendo parcerias e respeitando os requisitos de qualidade exigidos pela FEC;
  • Apoia a implementação de atividades constantes no plano de comunicação da FEC para a Guiné-Bissau, com artigos para publicação no web site e na newsletter da FEC e recolhe, cataloga e arquiva fotografias sobre a intervenção;
  • Participa na elaboração da grelha de programas rádio no âmbito da sua intervenção;
  • Cumpre os requisitos dos financiadores em matéria de comunicação;
  • Colabora na criação de condições para promover o bom-nome da instituição junto da comunidade, público-alvo e parceiros da FEC.

E) Monitorização e avaliação da intervenção

Sob orientação do AEA, do GProg e do SR:

  • Apoia na conceção de modelos de monitorização e de avaliação da intervenção;
  • Apoia na elaboração, reformulação e implementação de instrumentos de diagnóstico, monitorização e avaliação;
  • Monitoriza e sugere modificações à intervenção, baseado nos indicadores e em observações e trocas de impressões com públicos-alvo, formadores, técnicos da FEC, equipas regionais e parceiros;
  • Participa ativamente nas missões de monitorização e avaliação realizadas, na recolha de dados quantitativos e qualitativos relativos à sua função ou à intervenção da FEC, assim como na redação dos respetivos relatórios;
  • Apoia a avaliação da progressão técnica da equipa e dos formadores.

F) Produtos esperados e data de apresentação

  • Programas de formação, antes do início de cada ação de formação;
  • Programas de acompanhamento específicos de cada atividade;
  • Planos de sessão e suportes teóricos de todas ações de formação em versão final no final de cada ano;
  • Dossiês Técnicos e Pedagógicos relativos às funções que desempenha, no final de cada ano;
  • Matriz de tarefas e procedimentos relativo às suas funções em suporte digital, no final de cada ano.

Requisitos

  • Formação Superior na área da Língua Portuguesa;
  • Experiência de trabalho no setor da educação e da formação (preferencialmente 2 anos);
  • Experiência de trabalho em formação de adultos;
  • Experiência em gestão da formação (preferencial);
  • Experiência em gestão de projetos e/ou equipas de trabalho;
  • Experiência de trabalho em países em desenvolvimento, em especial países africanos (pelo menos 1 ano);
  • Domínio das técnicas de ensino-aprendizagem da língua e cultura portuguesa em contexto de aprendizagem do português língua não materna ou língua estrangeira;
  • Formação Pedagógica de Formadores;
  • Falante nativo de Língua Portuguesa, apresentando domínio escrito e falado;
  • Conhecimentos de Microsoft Office.

Competências mínimas

  • Consciência intercultural;
  • Vocação para o aperfeiçoamento constante;
  • Capacidade de automotivação e autoaprendizagem;
  • Criatividade e habilidade para trabalhar com recursos limitados;
  • Boa capacidade de tomada de decisão;
  • Capacidade de gestão de recursos humanos e de gestão do tempo;
  • Capacidade para Trabalhar em equipa e comunicar eficazmente com colegas nacionais e expatriados;
  • Capacidade de trabalhar sob pressão, autonomamente e com supervisão reduzida;
  • Orientação para a obtenção quotidiana de resultados;
  • Capacidade de adaptação a meios inóspitos;
  • Flexibilidade no desempenho das suas funções;
  • Carta de condução.

Local de Trabalho

República da Guiné-Bissau (Bafatá e Setor Autónomo de Bissau)

Condições contratuais

Duração do contrato: Setembro 2021 – Agosto 2022

Carga horária: 40 horas semanais

Antes de submeter a sua candidatura deverá consultar os seguintes Termos de Referência.